Categorias
Educação On-line Tecnologia

A tecnologia vem revolucionando a maneira como estudantes se preparam para o ENEM

O Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) é a principal porta de entrada em universidades públicas e muitas particulares do Brasil. A cada ano o número de inscritos no exame se supera, são milhões de estudantes em busca de uma vaga no ensino superior. 

O número de vagas nas universidades e faculdades espalhadas por todo o Brasil não é suficiente para acolher todos esses milhões de estudante, por isso o exame exige do candidato à vaga, uma preparação intensa, principalmente para cursos extremamente concorridos, como: medicina, engenharia, odontologia e etc. 

Com o passar dos anos a tecnologia tem sido essencial para essa preparação principalmente quando coloca o estudante em um ambiente igual ao do ENEM, como o GabariCEV que é uma plataforma de simulados on-line, onde o estudante  se prepara como se estivesse fazendo o exame. Os simulados são inéditos, corrigidos e comentados em vídeos por uma equipe de professores experientes  com o ENEM.

O GabariCEV garante preparação de alta performance para os estudantes.

“Todas as questões dos simulados são inéditas, classificadas por competência e habilidade, e foram elaboradas por uma competente e experiente equipe de professores especialista em suas áreas, com mais de 20 anos de experiência no ENEM. Com isso, o estudante tem uma preparação completa que simulam condições idênticas às do dia da prova”, explicou o Professor Pedro Netto, diretor de produto do Sistema CEV.

Ainda segundo o professor Pedro Netto, um grande diferencial do GabariCEV é a disponibilidade da correção das questões feitas no simulado após a aplicação da prova. Assim, o estudante pode conferir de imediato quais questões acertou ou errou e o motivo que levou a isso, pois os professores comentam cada questão de maneira detalhada. 

MÉTODO T.R.I

Os simulados GabariCEV são corrigidos com a mesma metodologia do ENEM, a Teoria de Resposta ao Item (T.R.I), analisa as questões que o candidato respondeu corretamente e dá um peso específico para cada acerto. A nota não depende somente da quantidade de acertos, mas também do grau de dificuldade das questões acertadas.

“Antes do ENEM, a maioria das provas eram feitas usando a Teoria Clássica dos Testes (TCT), onde uma questão de maior dificuldade tinha o mesmo valor de uma questão de maior dificuldade. O método T.R.I veio para corrigir esta desigualdade. Os nossos simulados contam com essa metodologia, onde todas as questões são parametrizadas usando os mesmos critérios do ENEM (Parâmetro de discriminação, Parâmetro de dificuldade e Parâmetro de acerto casual)”, Esclareceu o professor.

Desempenho geral de estudantes calculado através do método TRI.

Pedro Netto ressalta, ainda, que além da correção com T.R.I, o GabariCEV disponibiliza um relatório individual personalizado com dicas de estudo, de acordo com o padrão de resposta de cada estudante.

REDAÇÃO CORRIGIDA DE MANEIRA DESCRITIVA

Na preparação para o ENEM, o estudante também deve ter uma dedicação constante na produção e estudo de elementos para que ele possa desenvolver uma boa redação, pois dependendo da nota obtida nela, a média do candidato a uma vaga no ensino superior, pode conquistar a aprovação.

Um diferencial do GabariCEV, são os temas das redações, sempre inéditos, alinhados com a proposta do ENEM, e a correção é feita de maneira descritiva, na qual os professores que também são corretores oficiais do INEP comentam cada ponto do texto para que ele seja melhorado e o estudante desenvolva redações de excelência com o objetivo de chegar à nota máxima. 

Critérios para correção da redação iguais ao do ENEM.

“Nossos temas da redação são inéditos, sempre antenados com os do ENEM. As redações são avaliadas por professores corretores que são certificados pelo INEP, eles usam a mesma metodologia e critérios adotados pelo órgão na correção das redações do ENEM”, disse Pedro Netto.

TECNOLOGIA E INOVAÇÃO

O GabariCEV possui uma plataforma completa que coloca o estudante em um ambiente de alta performance, oferecendo ao aluno relatórios de desempenho gerais e individuais do simulado. 

“Através do cálculo T.R.I, conseguimos mostrar para o estudante o desempenho dele por área e habilidade, esclarecendo assim em qual área o estudante deve melhorar. O estudante conta também com um ranking no qual ele pode ver a posição em relação aos outros estudantes. Nosso objetivo é fazer com que eles se preparem melhor e tenham uma noção de como eles estão em relação aos estudantes que vão fazer o ENEM”, explica Carlos Bezerra, gerente de T.I do Sistema CEV.

Ainda segundo Carlos, o GabariCEV disponibiliza um simulador igual ao do Sistema de Seleção Unificada (SISU), que usa a média do estudante nas provas para ele escolher o curso e universidade desejados. Assim, ele sabe qual a nota média para conseguir a vaga naquele determinado curso. 

VALORES ACESSÍVEIS 

O GabariCEV foi planejado totalmente no ambiente gamificado, que oferece a estudantes de todo o Brasil 4 pacotes com simulados e alguns com a correção de redação. Os pacotes foram pensados para atender o momento de estudo de cada estudante. 

“Os pacotes GabariCEV foram construídos de uma maneira que abrangesse todos os perfis de estudantes, tanto no número de simulados que compõem cada um, quanto no valor deles. Disponibilizamos pacotes do individual até o mais completo com 4 simulados e 4 redações”, ressalta Eduardo Moraes, consultor de comunicação e marketing do Sistema CEV.

Os pacotes GabariCEV são:

Level 1 – R$ 19,90 – simulado único.

Super boss – R$ 24,90 – simulado individual + redação

Alpha – R$ 69,90 – com 4 simulados.

Ultimate – R$ 79,90 – com 4 simulados + 4 redações.

O processo de compra é totalmente on-line, por meio do site gabaricev.com o estudante tem a opção de pagar com o cartão de débito ou crédito.

Categorias
Educação Evento On-line

Comunicação e marketing: encontro on-line do Sistema CEV proporcionará o compartilhamento de boas práticas no segmento educacional

Imagem: divulgação

O Segmento educacional tem enfrentado grandes desafios por conta da pandemia do coronavirus, com as escolas fechadas a saída para que as relações com a comunidade escolar continuem firmes é investir em tecnologia, comunicação e marketing. Todo esse aparato é disponibilizado pelo Sistema CEV para suas escolas parceiras.

“Nossa parceria com as escolas do Sistema CEV vai muito além do material didático. Queremos que todos possam crescer e usar o máximo de seu potencial na educação de nossos jovens. A comunicação e o marketing têm um papel fundamental neste crescimento e vamos compartilhar boas práticas para contribuir com o crescimento dos profissionais que atuam com a gente em toda família Sistema CEV”, afirma Cloves Costa, diretor comercial e de marketing do Sistema CEV.

Enjagado nesse crescimento de todas as suas escolas parceiras, o Sistema CEV promoverá nos dias 12 e 13 de agosto um encontro on-line em seu canal, no YouTube, com o tema: “Compartilhando Melhores Práticas de Comunicação e Marketing para o Segmento Educacional”. No qual um time de profissionais com uma vasta experiência na área, falarão sobre temas relevantes e tirarão dúvidas sobre estratégias de como deixar a marca da instituição sempre em evidência.

Uma maneira de deixar a imagem sempre visível, é a promoção de eventos que antes eram presenciais, agora on-line junto à comunidade, isso envolve todos e fortalece as relações com o público, podendo até atrair novos clientes. Mas como fazer isso? Trabalhando com a tecnologia ao seu favor, é o que diz a coordenadora de eventos do Grupo Educacional CEV, Leticia Rodrigues, que vai falar sobre “A importância de eventos on-line para a comunicação da escola” no encontro de comunicação e marketing.

“Realizar eventos que antes eram presenciais, no universo on-line foi um momento de total reinvenção. Com isso, a gente percebeu que era uma ótima oportunidade de ficar mais perto do nosso publico e deixar a marca e os valores da empresa sempre visíveis e ainda posicionar as nossas estratégias de negócios. O uso da tecnologia foi fundamental para isso acontecer e estreitar os laços com nosso público. E a tendência é essa, que os eventos continuem sendo feitos dessa maneira até que haja uma completa segurança sanitária para sua realização de forma presencial”, esclarece.

O encontro também contará com outras palestras e fóruns para ajudar gestores, professores e colaboradores das escolas parceiras a manterem um uma comunicação clara e objetiva com seu público. Além disso, Denise Cavalini, diretora pedagógica da Escola da Inteligência falará sobre “Comunicação Socioemocional como estratégia de engajamento da Comunidade Escolar”.  Para participar do evento, os parceiros e convidados do Sistema CEV poderão se inscrever pelo link: https://bit.ly/ECM2020SistemaCEV

Confira abaixo a programação completa do encontro:

Imagem: divulgação

Categorias
Sem categoria

A pandemia do COVID-19 mudou a educação para sempre

Uma imagem contendo no interior, janela, homem, pessoa

Descrição gerada automaticamente
Com escolas fechadas em todo o mundo, milhões de crianças tiveram que se adaptar a novos tipos de aprendizado. Imagem: REUTERS / Gonzalo Fuentes
  • O COVID-19 resultou em escolas fechadas em todo o mundo. Globalmente, mais de 1,2 bilhão de crianças estão fora da sala de aula.
  • Como resultado, a educação mudou drasticamente, com o aumento distinto do e-learning, pelo qual o ensino é realizado remotamente e em plataformas digitais.
  • Pesquisas sugerem que o aprendizado on-line demonstrou aumentar a retenção de informações e levar menos tempo, o que significa que as alterações causadas pelo coronavírus podem estar aqui para ficar.

Enquanto os países estão em pontos diferentes em suas taxas de infecção por COVID-19, atualmente existem mais de 1,2 bilhão de crianças em 186 países afetadas pelo fechamento de escolas devido à pandemia. Na Dinamarca, crianças até 11 anos estão retornando a creches e escolas após o fechamento inicial em 12 de março , mas na Coréia do Sul os alunos estão respondendo às chamadas on-line de seus professores .

Com essa mudança repentina da sala de aula em muitas partes do mundo, alguns se perguntam se a adoção do aprendizado on-line continuará a persistir pós-pandemia e como essa mudança afetaria o mercado educacional mundial.

Mesmo antes do COVID-19, já havia um alto crescimento e adoção em tecnologia educacional, com investimentos globais em edtech atingindo US $ 18,66 bilhões em 2019 e o mercado geral de educação on-line projetado para atingir US $ 350 bilhões em 2025 . Seja aplicativos de idiomas , aulas virtuais , ferramentas de videoconferência ou software de aprendizado on – line , houve um aumento significativo no uso desde o COVID-19.

Como o setor educacional está respondendo ao COVID-19?

Em resposta a uma demanda significativa, muitas plataformas de aprendizado on-line estão oferecendo acesso gratuito a seus serviços, incluindo plataformas como a BYJU’S , uma empresa de tecnologia educacional baseada em Bangalore e tutoria on-line fundada em 2011, que agora é a empresa de edtech mais valorizada do mundo . Desde o anúncio de aulas ao vivo gratuitas em seu aplicativo Think and Learn, a BYJU’s registrou um aumento de 200% no número de novos alunos usando seu produto, de acordo com Mrinal Mohit, diretor de operações da empresa.

Enquanto isso, a sala de aula Tencent tem sido usada extensivamente desde meados de fevereiro, depois que o governo chinês instruiu um quarto de bilhão de estudantes em tempo integral a retomar seus estudos por meio de plataformas online. Isso resultou no maior “movimento on-line” na história da educação, com aproximadamente 730.000 , ou 81% dos alunos do ensino fundamental e médio, freqüentando as aulas pela Escola Online Tencent K-12 em Wuhan.

Outras empresas estão reforçando as capacidades para fornecer um balcão único para professores e alunos. Por exemplo, o Lark, um conjunto de colaboração baseado em Cingapura desenvolvido inicialmente pela ByteDance como uma ferramenta interna para atender seu próprio crescimento exponencial, começou a oferecer a professores e alunos tempo ilimitado de videoconferência, recursos de tradução automática, co-edição em tempo real do trabalho do projeto e agendamento inteligente de calendário, entre outros recursos. Para fazer isso rapidamente e em tempos de crise, a Lark aumentou sua infraestrutura global de servidores e recursos de engenharia para garantir conectividade confiável.

A solução de ensino a distância da Alibaba, o DingTalk, precisou se preparar para um afluxo semelhante: “Para dar suporte ao trabalho remoto em larga escala, a plataforma utilizou o Alibaba Cloud para implantar mais de 100.000 novos servidores em nuvem em apenas duas horas no mês passado – estabelecendo um novo recorde expansão da capacidade ”, de acordo com o CEO da DingTalk, Chen Hang.

Alguns distritos escolares estão formando parcerias únicas, como aquela entre o Distrito Escolar Unificado de Los Angeles e o PBS SoCal / KCET para oferecer transmissões educacionais locais, com canais separados focados em diferentes idades e uma variedade de opções digitais. Organizações de mídia como a BBC também estão impulsionando o aprendizado virtual; O Bitesize Daily , lançado em 20 de abril, oferece 14 semanas de aprendizagem baseada em currículo para crianças em todo o Reino Unido, com celebridades como o jogador de futebol do Manchester City Sergio Aguero ensinando parte do conteúdo.

O que isso significa para o futuro da aprendizagem?

Enquanto alguns acreditam que a mudança rápida e não planejada para o aprendizado on-line – sem treinamento, largura de banda insuficiente e pouca preparação – resultará em uma má experiência do usuário, que não conduz ao crescimento sustentado, outros acreditam que um novo modelo híbrido de educação surgirá, com benefícios significativos. “Acredito que a integração da tecnologia da informação na educação será mais acelerada e que a educação on-line acabará se tornando um componente integral da educação escolar”, diz Wang Tao, vice-presidente da Tencent Cloud e vice-presidente da Tencent Education.

Já houve transições bem-sucedidas entre muitas universidades. Por exemplo, a Universidade de Zhejiang conseguiu obter mais de 5.000 cursos on-line em apenas duas semanas da transição usando o “DingTalk ZJU”. O Imperial College London começou a oferecer um curso sobre a ciência do coronavírus, que agora é a turma mais matriculada lançada em 2020 no Coursera .

Muitos já estão divulgando os benefícios: Dr. Amjad, professor da Universidade da Jordânia que usa Lark para ensinar seus alunos, diz: “Isso mudou a maneira de ensinar. Ele me permite alcançar meus alunos de maneira mais eficiente e eficaz por meio de grupos de bate-papo, videoconferências, votação e compartilhamento de documentos, especialmente durante esta pandemia. Meus alunos também acham que é mais fácil se comunicar no Lark. Vou me ater ao Lark, mesmo depois do coronavírus, acredito que o aprendizado offline tradicional e o e-learning podem andar de mãos dadas “.

Os desafios do aprendizado on-line

Existem, no entanto, desafios a serem superados. Alguns estudantes sem acesso confiável à Internet e / ou tecnologia lutam para participar do aprendizado digital; essa diferença é observada entre os países e entre faixas de renda dentro dos países. Por exemplo, enquanto 95% dos estudantes na Suíça, Noruega e Áustria têm um computador para usar em seus trabalhos escolares, apenas 34% na Indonésia, de acordo com dados da OCDE .

Nos EUA, existe uma lacuna significativa entre os de origens privilegiadas e desfavorecidas: enquanto praticamente todas as crianças de 15 anos de origem privilegiada disseram ter um computador para trabalhar, quase 25% das pessoas de origens desfavorecidas não. Embora algumas escolas e governos tenham fornecido equipamentos digitais para estudantes carentes, como em Nova Gales do Sul , na Austrália, muitos ainda estão preocupados com o fato de a pandemia ter causado o fosso digital .

O aprendizado on-line é tão eficaz?

Para aqueles que fazem têm acesso à tecnologia certa, há evidências de que a aprendizagem on-line pode ser mais eficaz em um número de maneiras. Algumas pesquisas mostram que, em média, os alunos retêm 25 a 60% mais material quando aprendem on-line, em comparação com apenas 8 a 10% na sala de aula. Isso ocorre principalmente porque os alunos podem aprender mais rápido online; O e-learning requer 40-60% menos tempo para aprender do que em uma sala de aula tradicional, porque os alunos podem aprender no seu próprio ritmo, voltando e relendo, pulando ou acelerando os conceitos que escolherem.

No entanto, a eficácia do aprendizado on-line varia entre as faixas etárias. O consenso geral sobre as crianças, especialmente as mais jovens, é que é necessário um ambiente estruturado , porque as crianças são mais facilmente distraídas. Para obter todos os benefícios do aprendizado on-line, é necessário um esforço conjunto para fornecer essa estrutura e ir além da replicação de uma aula / aula física por meio de recursos de vídeo. Em vez disso, use uma variedade de ferramentas de colaboração e métodos de envolvimento que promovem “inclusão, personalização e inteligência”, de acordo com Dowson Tong, vice-presidente executivo sênior da Tencent e presidente do seu Cloud and Smart Industries Group.

Como os estudos demonstraram que as crianças usam extensivamente seus sentidos para aprender, tornar a aprendizagem divertida e eficaz por meio do uso da tecnologia é crucial, de acordo com Mrinal Mohit da BYJU. “Durante um período, observamos que a integração inteligente dos jogos demonstrou maior envolvimento e maior motivação para a aprendizagem, especialmente entre os alunos mais jovens, fazendo com que eles realmente se apaixonem pela aprendizagem”, diz ele.

Um imperativo educacional em mudança

É claro que essa pandemia interrompeu totalmente um sistema educacional que muitos afirmam já estar perdendo sua relevância . Em seu livro, 21 Lições para o século XXI , o estudioso Yuval Noah Harari descreve como as escolas continuam a se concentrar nas habilidades acadêmicas tradicionais e na aprendizagem mecânica , em vez de habilidades como pensamento crítico e adaptabilidade, que serão mais importantes para o sucesso no futuro. . A mudança para o aprendizado on-line poderia ser o catalisador para criar um método novo e mais eficaz de educar os alunos? Enquanto alguns temem que a natureza apressada da transição on – line possa ter prejudicado esse objetivo, outros planejam tornar o e-learning parte de seu ‘novo normal’ depois de experimentar os benefícios em primeira mão.

A importância da disseminação do conhecimento é destacada por meio do COVID-19

Os principais eventos mundiais costumam ser um ponto de inflexão para a inovação rápida – um exemplo claro é o aumento do comércio eletrônico pós-SARS . Embora ainda não tenhamos verificado se isso se aplicará ao e-learning pós-COVID-19, é um dos poucos setores em que o investimento não secou . O que ficou claro com essa pandemia é a importância da disseminação do conhecimento entre fronteiras, empresas e todas as partes da sociedade. Se a tecnologia de aprendizado on-line pode desempenhar um papel aqui, cabe a todos nós explorar todo o seu potencial.

Fonte: World Economic Forum

Categorias
Sem categoria

Trabalhadores do segmento educacional se reinventam para levar conteúdo de qualidade a estudantes

Inesperadamente, aquela rotina de ir todos os dias para o trabalho conversar, abraçar, cumprimentar com um aperto de mão, mudou. Muitos trabalhadores e empresas migraram para o home office. O mundo digital agora é o ambiente de trabalho da maioria das pessoas.

Gerente de T.I do Sistema CEV, Carlos Bezerra, trabalhando em home office.

Para quem trabalha no segmento educacional, não foi diferente. Nos últimos meses por conta do período de isolamento social, o conceito tradicional de escola mudou, as aulas que antes tinham aquela proximidade entre alunos e professores, foram suspensas. Mas a missão de educar não para. Professores, diretores, coordenadores, como muitos outros profissionais tiveram que migrar para o mundo virtual.

Professora ministrando aulas para alunos do ensino fundamental.

As aulas agora são a distância, uma mudança radical na vida desses profissionais que gostam de ficar junto dos seus alunos. Os professores agora se dividem entre a rotina doméstica, os cuidados com seus filhos, e a gravação ou transmissão de aulas ao vivo para que os estudantes continuem imersos no conteúdo. Os coordenadores ajudam na edição de vídeos, e os diretores dão todo o suporte aos pais ou responsáveis.

Professora ministrando aula de casa para estudantes da educação infantil.Professora ministrando aula de casa para estudantes da educação infantil.

As aulas continuam, por isso, como todos os outros trabalhadores, os da educação estão se reinventando e se adaptando. Quando tudo isso passar, as aulas poderão ser como antes deste período de isolamento. Abraços, beijos e apertos de mãos serão bem-vindos novamente.

Categorias
Educação Parceria Premiação Professor Vortex

Reconhecimento merecido: desempenhos de professores de escolas parceiras da Vortex Educação são destacados através do Prêmio Aura Pedagógica 2021. Confira!

O Prêmio Aura Pedagógica 2021 foi uma iniciativa da Vortex Educação que teve o objetivo de valorizar os professores das escolas parceiras que foram destaques ao longo do ano. Todo processo de premiação como um todo contou com um enorme engajamento de todas as partes envolvidas e o feedback obtido não poderia ter sido mais positivo.

“A gente sabe que histórias inspiradoras nos ajudam a seguir adiante com pensamento positivo. Sabemos também que o último ano não foi fácil, o professor precisou se reinventar, precisou de novas características para seguir o seu dom da educação. Pensando nisso, nós criamos a Aura Pedagógica – uma premiação, um reconhecimento para aqueles professores que se destacaram durante o ano de 2021.”, afirma Cloves Costa, Diretor de Comercialização da Vortex Educação.

Participaram do Prêmio Aura Pedagógica 2021 escolas parceiras de 8 estados, dentre as quais foram selecionadas 8 finalistas (sendo uma escola representante de cada estado). A primeira etapa do processo de votação foi popular e realizada em uma grande rede social, e a segunda foi realizada via link, sendo a mesma destinada apenas para gestores. O resultado final, por sua vez, contemplou Gilson Galdino, professor do Educandário Arte de Aprender, localizado em Escada/PE.

Grande surpresa  

Gilson, tomado pela emoção, parecia não acreditar que havia conquistado o prêmio: “Apesar de eu ter certeza da minha prática, de tudo que eu faço pelos meus alunos, eu não esperava (ganhar o prêmio). Eu já me considerava um vencedor por ver a minha prática didática sendo reconhecida no Prêmio Aura Pedagógica.”, conta.

Belo incentivo

Todo professor sonha em fazer a diferença na vida dos seus alunos. E, nesse sentido, quando a recíproca se torna verdadeira, o sentimento não poderia ser outro: “O maior prêmio que eu recebi durante todo esse período de votação foi ver o engajamento deles (dos alunos), o apoio que eles me deram (assim como fizeram os pais dos estudantes).”, garante.

Gratidão total

Segundo Gilson, o privilégio de ter tido o apoio de tanta gente – aliado com sua determinação e com o seu talento – foram componentes fundamentais para sua formação não apenas no âmbito profissional, mas, também, no âmbito humano: “Eu sou muito grato aos meus alunos, aos meus familiares, aos meus amigos, coordenação, escola, às pessoas que me deram oportunidade de estudar. Ganhando esse prêmio eu me lembro do meu passado, que foi uma infância muito dura, muito sofrida. Então só tenho orgulho da pessoa que eu me tornei hoje.”, afirma.

Os outros 7 finalistas do Prêmio Aura Pedagógica foram: Raimundo Nonato de Araújo Barros (professor da Escola Pequeno Príncipe, localizada em Esperantina – PI); Jouberth Sousa dos Passos Cardozo (professor do Instituto Educacional Maciel, localizado em Caxias – MA); Williams Santana Messias (professor do Colégio Rezende, localizado em N. Sra. da Glória – SE); Vitor Alcântara dos Santos  França (professor do Colégio Maurício de Sousa, localizado em Maceió – AL); Neila Figueiredo (professora do Centro Educacional União, localizado em Natal – RN); Gabriela de Oliveira Jesus (professora do Centro Educacional Tereza Fróes, localizado em Salvador – BA) e Ellen Assunção (professora da Escola Intellectus Vita, localizada em Belém – PA).

 

 

 

 

Categorias
BNCC Educação Tecnologia Vortex

Vortex Educação: aliada de um ensino humanizado e cada vez mais próximo da tecnologia

A Vortex Educação é um sistema de ensino pautado pela inovação. Sua proposta é fazer a melhor diferença no meio social através de um ensino humanizado e cada vez mais próximo da tecnologia.

A instituição acredita que nossos jovens devem ser preparados para a vida e para o mercado do futuro, e que, para isso acontecer, não podemos cultivar estruturas que remontam o passado. Dessa forma, é nítido que passa a ser urgente a evolução constante do ambiente de aprendizagem.

Quando falamos em educação, falamos da construção do futuro de indivíduos e da sociedade. Acreditamos que frente a esse impacto e importância, as únicas escolhas possíveis a serem feitas são as que estão no caminho da qualidade rumo à excelência.

E essa excelência é refletida sobremaneira nos livros didáticos que são alguns dos pilares mais fortes do nosso sistema de ensino: “Nós temos nos preocupado muito em adequar os livros à BNCC, que é um documento muito importante e que agora norteia toda educação brasileira desde 2017. É algo gradativo porque são muitas mudanças em curtíssimo prazo e a gente tem procurado nos adequar a cada ano, renovando e adaptando nossos livros. ”, afirma Alex Romero, Diretor Pedagógico da Vortex Educação.

Segundo Alex, essa constante e necessária busca pelo aprimoramento dos materiais acaba sendo norteada por um trabalho conjunto: “Uma das grandes vantagens da Vortex Educação é ouvir as escolas parceiras. Nós nos encontramos muito com os professores, conversamos muito em reuniões e projetos pedagógicos (presenciais e on-line) a fim de ter um feedback. E muitas das mudanças são sugeridas pelos professores das escolas. Há um diálogo constante com o professor. Nossos livros estão sempre sendo adaptados a essas realidades novas que os professores nos trazem. Eles vão nos ajudando a moldar e a fazer os livros ficarem cada vez melhores para que possamos atender à demanda pedagógica envolvendo aí a nova base nacional curricular comum. ”, garante.

E os desafios, claro, não param por aí: “Agora o desafio é o novo ensino médio (com relação ao qual) nós estamos preparando tanto os projetos de vida como os itinerários formativos para atendermos às escolas que também estão angustiadas com relação a essas mudanças. ”, pontua Alex.

Decerto existem muitas formas de a aprendizagem acontecer e todas têm seu valor. Entretanto acreditamos que o tempo em sala de aula, que reúne alunos e professores, é um momento especial. Ele carrega a atenção e a presença de pessoas e por isso deve ser aproveitado da melhor forma possível. Por isso, se você perguntar para o professor Alex como ele acha que vai ser a escola do futuro, a resposta será: “Com salas de aula inovadoras e um material didático de excelência tendo como aliada a tecnologia para um melhor aprendizado”.

Nesse sentido, iniciar qualquer ação, projeto ou movimento hoje sem contar com o auxílio da tecnologia seria pensar olhando para trás. A tecnologia é um meio para potencializarmos nosso impacto e alcançarmos nosso objetivo a fim de transformar a educação.

Somar esforços para multiplicar resultados. Com qualidade do ensino, com resultado dos alunos, com o crescimento das escolas, com o desenvolvimento da sociedade. Assim a Vortex Educação almeja aprimorar a educação o tempo todo e em todos os lugares através de uma metodologia adaptativa em uma Plataforma Educacional que une tecnologia a resultado.

Sobre a Plataforma Educacional em questão (que se chama Sagaz e sobre a qual trataremos de forma mais específica em outro post), Cloves Costa, Diretor de Comercialização da Vortex Educação, afirma: “Os estudantes terão uma plataforma interativa onde poderão praticar o conteúdo que aprenderam em sala de aula”. E, também com relação a esse assunto, Pedro Netto, Diretor de Produtos da instituição, acrescenta que ainda haverá: “Relatórios precisos e individualizados que serão enviados para pais, professores e gestores para eles saberem como anda o aprendizado daquele aluno.”

Tudo que é necessário para que ocorra a evolução da sua escola a Vortex Educação tem para lhe oferecer, com resultados que movem a educação.

 

 

Categorias
BNCC Educação Tecnologia

Novo Ensino Médio: fique por dentro das principais mudanças que deverão ser adotadas a partir de 2022 por todas as escolas do país

A Lei nº 13.415/2017 gerou mudanças na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, fazendo com que a estrutura do ensino médio fosse contemplada com muitas alterações importantes. Uma nova organização curricular e a ampliação da carga horária mínima (que passará das atuais 800 horas para 1000 horas anuais) irão constituir as bases para todas as mudanças que deverão ser adotadas a partir de 2022 por todas as escolas do país.

Olhar positivo

Sobre esse tema (que vem sendo protagonista de muitos debates) o professor Alex Romero, Diretor Pedagógico da Vortex Educação, afirma em tom otimista: “O aluno não vai escolher cursos de universidades, e sim uma área de conhecimento na qual ele vai perceber sua identificação.”

Ainda de acordo com Alex: “A ideia é que ele (o aluno) chegue um pouco mais amadurecido para que quando ele tiver que fazer a sua escolha profissional ele tenha tido contato com assuntos, com disciplinas, com abordagens daquela área que ele considera interessante. Isso faz com que o aluno tenha uma escolha assertiva para o ensino superior a fim de evitarmos um grande embaraço que é esse percentual de cerca de 25% de evasão no próprio ensino superior (referente às pessoas que começam um curso e não o terminam porque não se identificaram com o mesmo).”

Mas quais serão de fato as principais mudanças?  

A nova carga horária mínima do Ensino Médio (a ser adotada já em 2022) será de 3 mil horas (1.000 h/ano), sendo a carga horária ideal (sem prazo definido para ser implementada) composta por 4.200 horas (1.400h/ano).

As 13 disciplinas curriculares mais tradicionais serão substituídas por 4 áreas do conhecimento além da formação técnica e profissional, a saber: linguagens e suas tecnologias; matemática e suas tecnologias; ciências da natureza e suas tecnologias; ciências humanas e sociais aplicadas além da já citada formação técnica e profissional.

A Base Nacional Comum Curricular (BNCC) do ensino médio veio para determinar um conjunto de aprendizagens comuns e obrigatórias a todos os estudantes tendo em vista as competências e habilidades referentes às diferentes áreas do conhecimento.

Com o apoio de escola, os estudantes irão definir objetivos de vida (a partir dos anos finais do ensino fundamental). Haverá ainda a existência dos chamados itinerários formativos (que terão uma relação muito próxima com as áreas do conhecimento e com a formação técnica e profissional no intuito de que o estudante possa se aprofundar cada vez mais naquilo que mais lhe interessa e no seu próprio projeto de vida como um todo.

Por fim, outro ponto muito importante diz respeito à possibilidade de haver uma construção personalizada mediante a qual as instituições de ensino poderão desfrutar de uma certa autonomia no que se refere às adaptações no modo de ensinar levando-se em conta as peculiaridades das realidades locais.

 

Categorias
Educação

Em 2021 Paulo Freire completaria 100 anos de idade. Conheça um pouco mais acerca da história do Patrono da educação no Brasil

No dia 19 de setembro, o patrono da educação no Brasil, Paulo Freire, completaria 100 anos de idade. E o blog do Sistema CEV não poderia deixar de ressaltar esta data tão importante não apenas para o Brasil, mas para todo o mundo.

Paulo Freire nasceu no ano de 1921, em Recife – PE, e faleceu em São Paulo no ano de 1997. Ao longo de sua vida – inteiramente dedicada à Educação – ele foi contemplado com o título de Doutor Honoris Causa por mais de 30 universidades mundo afora, além de ter recebido o prêmio da UNESCO de Educação para a Paz em 1986. Seu título de Patrono da Educação Brasileira lhe foi concedido no dia 13 de abril de 2012 através da Lei nº 12.612.

O educador ajudou a combater o analfabetismo em diversos países.

Os estudantes precisam ser protagonistas  

O legado que ele deixou evidencia que o estudante deve se comportar como um agente ativo na construção da própria história, questionando, sempre adotando uma postura crítica frente às informações que lhes são destinadas: “Para Paulo Freire, o aluno é o autor da sua própria educação, ele faz o seu caminho, constrói o seu conhecimento, seu aprendizado. Ele defendia que o objetivo principal da escola era fazer o aluno ler o mundo para poder transformá-lo. E nosso papel como educadores é sempre dialogar nas relações de ensino aprendizagem, pois, na medida que o educador ensina, ele também aprende. Ou seja, professor e aluno aprendem juntos em um ambiente amável e democrático, onde todos podem expressar suas ideias.”, afirma Débora Amélia, educadora e consultora pedagógica do Sistema CEV.

Incentivo precioso

Segundo ela, os professores também precisam incentivar os estudantes na busca por essa maior autonomia dentro do processo de aprendizagem: “Sempre procuro como educadora estimular meus alunos a buscarem novos conhecimentos, a gostarem de aprender, a terem sempre vontade de aprender, porque o conhecimento nos liberta, nos transforma.”. Como diria Paulo Freire: “Educação não transforma o mundo. Educação muda as pessoas. Pessoas mudam o mundo.”

Categorias
Educação Parceria

Estudante de escola parceira do Sistema CEV foi convidado para expor seus quadros no Museu do Louvre. Confira!

Ele é estudante da Unidade Escolar Pequeno Príncipe, parceira do Sistema CEV. E com apenas três anos de idade, o pequeno João Elyo começou a dar seus primeiros passos no seleto universo das pinturas. O tempo foi passando, suas habilidades foram aprimoradas de forma autodidata. E o poder encantador do seu talento natural logo rompeu as fronteiras de Esperantina – PI (sua cidade natal) quando seus quadros começaram a ser postados numa grande rede social. Isso deu uma ótima visibilidade para seu trabalho e vem ajudando João Elyo (hoje com 11 anos) a conquistar um número crescente de admiradores por todo país.

Reconhecimento internacional

O sucesso foi tanto que a família de João (e ele próprio) foram procurados por uma assessoria artística do Rio de Janeiro no intuito de que suas artes possam ser expostas num dos museus mais renomados do mundo, o Museu do Louvre, localizado em Paris (França). Este será mais um momento de enorme destaque na trajetória deste jovem artista piauiense que já teve suas obras de arte expostas em cidades como Teresina, Salvador e também na Califórnia (EUA).

“Ele começou a desenvolver suas primeiras telas profissionalmente com 9 anos. A primeira exposição dele aconteceu no Teatro 4 de Setembro, em Teresina. E a partir daí ele não parou mais. Eu vejo que a arte ajuda muito nesse processo de desenvolvimento intelectual do João Elyo, é uma terapia para ele.”, afirma Elenilza Araújo, mãe do artista.

Muito amor envolvido

O apoio que sempre foi destinado a João no âmbito familiar (e na escola) também é algo que vem fazendo toda diferença: “Em casa ele é uma criança muito amável. Ele tem o apoio total da família nas escolhas que ele faz. E na escola que ele está atualmente ele é muito bem recebido, ele é muito querido, ele é muito amado. E isso é algo que faz bem para ele, que ajuda um pouco ele a se desenvolver melhor.”, diz Elenilza.

Uma história tão inspiradora como essa revela um caminho muito fértil para aprendizagem, e não só no que se refere a João, mas também às pessoas que fazem parte do seu dia a dia: “A gente aprende muita coisa com o João Elyo, aprende a ver a vida de uma outra maneira. E eu vejo que quando ele vê um problema bem difícil ele sempre sorri para esse problema. Enquanto a gente fica triste e muitas vezes acha que não consegue resolver (o problema). A vida dele é alegria, é amor, é abraço, é carinho. Arte para ele é sinônimo de libertação, de amor, de ser visto pela sociedade como uma pessoa que é capaz.”, relata a mãe, toda orgulhosa do filho.

Ajude João a realizar esse sonho

Mas diante de um cenário tão bonito e promissor, elas, as dificuldades, também existem: para que João possa realizar o sonho de ver suas criações no Museu do Louvre é necessária que haja uma ajuda financeira que seja suficiente para custear todas as despesas oriundas da viagem. Dessa forma, os interessados em participar dessa importante iniciativa podem contribuir através do link https://bit.ly/JoãoElyo.

Trabalho que inspira

As produções artísticas de João são constantes homenagens à natureza, à chuva, ao Sol, à Lua, à vida: “Ele vê a arte dele como sinônimos dos elementos da natureza porque ele compara bastante as cores que ele usa com esses elementos.”, garante Elenilza, que ainda acrescenta: “Quando você fica diante de uma tela dele você sente esse sentimento bom, esse sentimento de alegria, de felicidade, de apoio.”

Categorias
Educação Parceria

Parceria de sucesso oferece educação de qualidade à população da região norte do Piauí

Parnaíba é a segunda maior cidade do estado do Piauí com pouco mais de 153 mil habitantes, a cidade é destino certo de vários turistas por ter belas praias, lagoas, uma excelente gastronomia e casarões históricos que fazem as pessoas apreciarem a arquitetura do século XIX, época de sua fundação.

Estudante em aula prática no laboratório de ciências. Fotos: arquivo do colégio.

Entretanto, Parnaíba não se resume apenas como principal destino turístico do Piauí. A cidade conta com uma das melhores redes de educação da região, liderada por uma instituição que educa seus estudantes para a vida. Esse é o Colégio Síntese Educacional, a primeira instituição parceira do Sistema CEV e referência em qualidade de ensino em toda a região norte do estado.

Com 320 alunos matriculados regularmente da Educação Infantil ao Ensino Médio, o colégio tem uma ótima infraestrutura e um excelente corpo docente. O colégio Síntese foi o primeiro a apostar no Sistema CEV para juntos transformarem vidas através de uma educação de qualidade que ajuda os estudantes e suas famílias a realizarem sonhos.

No colégio, há várias áreas de convívio e laboratórios como este, de robótica.  Fotos:  arquivo do colégio.

A relação entre ambos começou há 3 anos, quando a direção da instituição soube do Sistema CEV e de seu pioneirismo no segmento de editoração, no Piauí. Com isso, eles procuraram a equipe que estava à frente do Sistema CEV, liderada pelo professor e atualmente diretor de produto do Sistema CEV, Pedro Netto.

“Lá em 2018, nós fomos procurados pela equipe do colégio Síntese. Na ocasião, nós mostramos os livros para equipe pedagógica da instituição, eles viram como era feita a aplicação do material no CEV Colégio, nós disponibilizamos os livros para apreciação dos professores do colégio Síntese os quais gostaram muito. No ano seguinte, 2019, eles se tornaram a nossa primeira escola parceira”, relatou o professor.

O Sistema CEV estava dando os primeiros passos no mercado de editoração, mas a confiança na marca CEV fez com que a diretora-geral do colégio Síntese Educacional, Yone Demóstenes, optasse pelo sistema de ensino em sua instituição.

“Soubemos que o Sistema CEV estava iniciando o trabalho com material próprio, entrei em contato com o professor Pedro Netto e marcamos uma reunião. Conversamos, vimos o material e, assim, iniciamos nossa parceria em 2019”, disse a diretora.

 

A diretora-geral, Yone Demosthenes e a coordenadora do colégio, Kedma Castro (respectivamente) recebendo o professor Pedro Netto em visita à instituição. Fotos: arquivo pessoal.

Yone conta que atua no segmento educacional há vários anos e que já teve muitos problemas e reclamações com sistemas de ensino que estão há muito tempo no mercado. No entanto, com o Sistema CEV, foi diferente. Ela, a gestão do colégio, professores, estudantes e responsáveis estão muito satisfeitos com toda a proposta e as ferramentas educacionais do Sistema CEV.

“Todos estamos muito satisfeitos com o Sistema CEV, seja gestão, professores, alunos e os seus responsáveis. Já trabalhei em algumas regiões do Brasil com materiais de grandes empresas do segmento, e sempre tivemos problemas e reclamações de professores e responsáveis sobre o material desses sistemas de ensino. Esse é um ponto positivo para o Sistema CEV, pois até hoje só temos elogios”, contou.

O material do Sistema CEV abrange todos os níveis de ensino ofertados pela instituição. Foto:  arquivo do colégio.

Ao longo destes 2 anos, a parceria foi se fortalecendo, o Sistema CEV e o colégio Síntese obtiveram muitas conquistas, enfrentaram desafios e colheram muitos frutos juntos.

“Acredito que o maior fruto dessa relação seja a nossa parceria. Quantos aos resultados, graças a Deus sempre estamos entre as melhores da região e, claro, a parceria do Sistema CEV veio para somar com a gente”, destacou Yone.

O que começou com o colégio Síntese lá em 2019, hoje se transformou em algo maior.

Atualmente, o Sistema CEV conta com milhares de alunos em mais de 45 escolas em 9 estados da federação, mas segue em forte expansão nacional conquistando o Brasil com um material didático de alta qualidade, moderno, uma metodologia ativa eficiente, ferramentas tecnológicas fundamentais para obter excelência no processo de ensino-aprendizagem e, além disso tudo, carinho e respeito com seus parceiros. Assim, o Sistema CEV vem transformando vidas e realizando sonhos.

 

Categorias
Educação Enem OnFire On-line Revisão Vestibular

Sistema CEV irá garantir participação dos estudantes de escolas parceiras no ENEM On Fire – Fase Urbana: mais um grande diferencial na reta final da preparação para o ENEM

Após o sucesso da primeira revisão ENEM On Fire (realizada no dia 04/09) as expectativas para as próximas aumentaram. E a boa notícia fica por conta da proximidade com relação ao ENEM On Fire – FASE URBANA (a segunda revisão da série) que irá acontecer no dia 09/10.

Com uma dinâmica diferenciada, mediante a qual três professores dividiram o palco ao mesmo tempo, foi possível ser trabalhada com grande eficiência a interdisciplinaridade na resolução de cada questão que foi sendo apresentada para os estudantes, facilitando o pleno entendimento por parte de todos. Linguagens, humanas, natureza e matemática foram as áreas contempladas por cada um dos trios.

 

A inscrição terá que ser feita no site usando o cupom enviado pela escola.

Além disso, vale ressaltar que a revisão ENEM On Fire foi realizada nos módulos presencial e on-line, oferecendo o mesmo padrão de qualidade em ambos os casos para todos os participantes.

Como garantir a participação dos estudantes da sua escola?

A equipe do Sistema CEV enviará um cupom (com código único) para todas as escolas parceiras e cada instituição poderá encaminhar o mesmo para seus alunos. Os alunos, então, deverão usar o cupom para efetuarem o cadastro no site do CEV Vestibulares https://cevvestibulares.com.br/ e pronto! É só aguardar o dia da revisão (09/10) e aproveitar o verdadeiro show de conhecimentos que será dado mais uma vez pela melhor equipe de professores do Piauí e uma das melhores do Brasil. Vale ressaltar ainda que tudo isso poderá ser feito de forma totalmente gratuita!   

Marque na agenda: dia 09/10

Diante de todo sucesso que marcou o primeiro dia da revisão ENEM On Fire, as próximas terão tudo para serem ainda melhores: “Foi uma revisão fantástica. Vendemos todos os ingressos em apenas três minutos. E fica o convite: no dia 09 de outubro teremos o ENEM On Fire parte 02. O game vai continuar.”, afirma o professor e coordenador do CEV Vestibulares, Clemilson Martins.

Fique atento às nossas redes sociais para não ficar de fora das próximas revisões, que terão absolutamente tudo para serem grandes diferenciais na reta final da sua preparação para o ENEM.

Categorias
Educação Meio Ambiente Selo FSC Sustentabilidade

Material do Sistema CEV conta com selo de certificação ambiental reconhecido no mundo todo e presente em organizações em mais de 75 países

Existem diversas atitudes que pessoas e instituições podem e devem adotar para ajudar no desenvolvimento sustentável do planeta e proporcionar, assim, um ambiente harmônico para as atuais e futuras gerações viverem. Isso se chama ‘responsabilidade ambiental’.

Entre essas várias atitudes estão: separar o lixo para a coleta seletiva, gastar menos água, procurar consumir energia de fontes renováveis e adquirir produtos como os do Sistema CEV, empresa amiga da natureza, que tem toda sua linha de material com o selo FSC.

Mas, afinal, o que é esse selo FSC?

Segundo a ONG World Wide Fund for Nature (WWF), traduzindo para o português, Fundo Mundial para a Natureza, “O FSC é hoje o selo verde mais reconhecido em todo o mundo, com presença em mais de 75 países e todos os continentes. Atualmente, os negócios com produtos certificados geram negócios da ordem de 5 bilhões de dólares por ano em todo o globo. FSC é uma sigla em inglês para a palavra Forest Stewardship Council, ou Conselho de Manejo Florestal, em português”.

Ou seja, esse selo indica que a matéria-prima usada na produção dos livros do Sistema CEV vem de um manejo florestal sustentável e um processo produtivo amigo do meio ambiente.

Selo FSC fica estampado da contracapa dos livros do Sistema CEV.

“Nós estamos sempre antenados para ter o melhor conteúdo pedagógico em nosso material, mas, além disso, a gente se preocupa também com a matéria-prima utilizada na produção dos livros. Assim, contribuímos tanto para educação dos nossos jovens quanto para deixar um planeta limpo e sustentável para eles viverem no futuro”, disse Cloves Costa, diretor de comercialização do Sistema CEV.

Desde as crianças da educação infantil até os adolescentes do ensino médio, que estão se preparando para ingressar no ensino superior, com o material do Sistema CEV, todos eles aprendem a pôr em prática a responsabilidade ambiental.

Quer ter na sua escola um material assim, amigo do meio ambiente e que é exemplo para os estudantes em vários aspectos, incluindo sustentabilidade? Entre em contato com o consultor ou consultora do Sistema CEV na sua região. É só clicar no link https://linktr.ee/comercialsistemacev e conhecer esse material incrível.

Categorias
Bilíngue Educação Parceria Tecnologia

O ensino bilíngue tem se tornado fundamental em um mundo cada dia mais conectado

 

O mundo está cada vez mais globalizado e as relações entre as diversas nações estão mais estreitas. Para fazer parte desse ambiente integrado é fundamental dominar outra língua, principalmente quando ela é a mais falada no planeta.

O inglês tem cerca de 1,132 bilhão de falantes entre nativos e não nativos, a língua é a mais falada do mundo. Seja nos negócios, em eventos, como as olimpíadas, no turismo ou em empresas multinacionais, a língua inglesa é a oficial.

Ter um ensino bilíngue desde cedo, faz com que o estudante tenha uma melhor performance no aprendizado da língua inglesa e a utilize para diversos fins.

Sempre pensando no desenvolvimento pessoal de cada estudante, o Sistema CEV fechou uma parceria com a casa Thomas Jefferson, uma instituição reconhecida na América Latina e no mundo por seu trabalho de excelência no ensino e na disseminação da cultura dos países de língua inglesa.

“O Sistema CEV está sempre fechando parcerias que agregam valor para os estudantes e para suas escolas parceiras, e viu na Casa Thomas Jefferson uma grande oportunidade de o aluno ter acesso a um conteúdo bilíngue completo, em que ele pode vivenciar de maneira mais imersa situações que o uso do inglês é indispensável”, explicou Cloves Costa, diretor de comercialização do Sistema CEV.

O Thomas Bilíngue for Schools (TBS) é um programa desenvolvido pela Casa Thomas Jefferson para levar um ensino bilíngue de alta qualidade para dentro das escolas de todo o Brasil. As aulas acontecem integralmente em inglês, proporcionando um ambiente de imersão no idioma. O aluno desenvolve o seu inglês ao mesmo tempo em que amplia seus conhecimentos nas mais diversas disciplinas. Além disso, o estudante desenvolve competências do século XXI – colaboração, criatividade, pensamento crítico, inovação e habilidades socioemocionais.

“Usamos a abordagem CLIL – Aprendizado Integrado de Conteúdo e Língua (Content and Language Integrated Learning) associada a uma abordagem comunicativa, dando prioridade ao significado da mensagem e à comunicação; com elementos de PBL – Aprendizagem baseada em projetos (Project-Based Learning) e Educação Maker – mão na massa: o aprender fazendo, valorizando sempre o protagonismo do aluno e tendo ele como centro de todo o processo de aprendizagem”, esclareceu Lueli Ceruti, gerente do Thomas Bilingue for Schools.

Se você quer na sua escola um ensino bilíngue de excelência com vivências culturais da língua inglesa, referência na América Latina e reconhecido em todo planeta, entre em contato agora mesmo com um consultor ou consultora comercial do Sistema CEV na sua região, é só clicar no link. https://linktr.ee/comercialsistemacev

 

Categorias
Educação Encontro Evento Revisão Vestibular

Aulão Show promove revisão de conteúdo e anima estudantes na reta final de preparação para o vestibular da UEMA

Um dos momentos mais importantes da vida do estudante é quando ele (a) começa a preparação para as provas do Enem e de vestibulares, nessa fase, o objetivo é um só: conseguir a vaga na universidade, no curso que sempre sonhou. Por isso, todas as oportunidades de absorver e revisar conteúdos devem ser bem aproveitadas.

Como o “Mega-aulão show – UEMA” realizado pela escola parceira do Sistema CEV em Caxias – MA, o Instituto Educacional Maciel, no último final de semana de junho. O evento reuniu cerca de 100 estudantes em uma sala de cinema do principal shopping da cidade.

Tudo foi bem organizado, seguindo os protocolos de segurança sanitária, estabelecidos pela OMS e pelo decreto do governo do Maranhão.

 

Estudantes e equipe atentos ao aulão.

“Além de gerar confiança e motivar o aluno a estudar, os aulões também resgatam detalhes que podem passar despercebidos nas aulas. Cada aulão tem o objetivo de revisar, com isso, o aluno consegue captar o núcleo dos assuntos. A participação do estudante em eventos como este é de suma importância, pois além de aprender, ele (a) tem um momento de interação e socialização, que muitas das vezes, acaba ajudando o vestibulando a descarregar seu nervosismo ou/e ansiedade que, infelizmente, é gerando por conta da prova”, disse Byanca Borges, coordenadora pedagógica do Instituto Educacional Maciel.

Nesse aulão, focado no vestibular da Universidade Estadual do Maranhão (UEMA), os estudantes revisaram os conteúdos de história e geografia do Maranhão e linguagens com os docentes da instituição e o professor Alex Romero, diretor pedagógico do Sistema CEV, que explanou sobre as obras literárias cobradas no certame – Macunaíma, de Mário de Andrade e Esconderijos do Tempo, de Mário Quintana.

“O Sistema CEV está sempre junto às suas escolas parceiras, quando nós recebemos convites delas para participar de revisões, inserimos no nosso cronograma para participar, está lá com eles para agregar com sua equipe. Foi o que aconteceu em Caxias, no Maranhão, onde fomos comentar as obras cobradas no vestibular da UEMA, que a pontuação tem um grande peso na prova de linguagens. Assim como atendemos o Instituto Maciel, também estamos elaborando calendários para atender as outras escolas em revisões do Enem e vestibulares levando nossa equipe de professores que, lógico, vai somar com a equipe de professores da instituição”, relatou Alex Romero.

Professor Alex Romero falando sobre as obras cobradas no vestibular da UEMA.

Está presente no dia a dia e ser realmente parceiro está na essência do Sistema CEV, que está sempre conectado com suas escolas parceiras. “Essa integração também é importante para o Sistema CEV, a fim de que possamos conhecer mais a rotina, a equipe de professores das escolas, os gestores das escolas e ter esse contato pedagógico para aprimorar ainda mais os nossos serviços e nossas relações”, disse o diretor.

O vestibular da UEMA acontecerá em uma única etapa, nos dias 4 e 5 de julho. A prova será composta por 44 questões objetivas de múltipla escolha e uma redação. Estão sendo ofertadas 4.080 vagas para os campi da UEMA e 855 para a UEMAsul.